monitorização contínua
de glicose

Conhecido como CGM (sigla da expressão em inglês, Continuous Glucose Monitoring), é o acompanhamento dos níveis de glicose 24 horas por dia, por meio de um sensor. Ele mede a glicose a cada cinco minutos e envia os dados para a bomba, onde um gráfico se forma. São 288 leituras por dia que identificam as oscilações e tendências de glicose, alertando o usuário e ajudando no controle da glicemia.

SAIBA MAIS!

O controle da produção e liberação de insulina feito pelo corpo humano é bastante complexo. Basicamente, ele acompanha os níveis de glicose todo o tempo para garantir que a quantidade certa de insulina seja liberada no momento certo.

Em caso de diabetes, essa gestão precisa ser feita pelo paciente, com acompanhamento médico. Para isso, é necessário contar com um sistema de monitorização para verificar constantemente a glicose. No caso do CGM, ele acompanha os níveis 24 horas por dia, por meio de um sensor aplicado à pele. Ele mede a glicose a cada cinco minutos e envia os dados para a bomba, onde um gráfico se forma. São 288 leituras por dia!

O CGM identifica as oscilações e tendências de glicose, alertando o usuário e ajudando no controle do diabetes. Com ele fica mais fácil descobrir como as refeições, os exercícios, os medicamentos e o estilo de vida afetam os níveis de glicose, garantindo mais segurança ao tratamento.

COMO FUNCIONA?

O sensor de glicose é aplicado para medir os níveis de glicose no líquido intersticial (líquido presente no espaço entre as células do corpo). Ele é conectado a um transmissor que envia as informações via radiofrequência para a bomba de insulina.

A bomba pode detectar se a sua glicose está fora dos padrões estabelecidos e fornecer diversos tipos de alertas e alarmes. No caso do Sistema MiniMed 640G, devido à exclusiva tecnologia SmartGuard, a bomba suspende a infusão da insulina na previsão de hipoglicemia e evita, assim, mais de 70% dos casos 5.

como o smartguard™ funciona

Para calibrar o sensor de glicose, o sistema requer, pelo menos, uma leitura de glicose no sangue a cada 12 horas.

*O recurso de suspensão automática baseia-se em certos critérios: a glicose medida pelo sensor deve estar até 70 mg/dL do limite de baixa e com previsão de estar 20 mg/dL acima do limite de baixa em 30 minutos. A bomba não deve estar no período refratário.

**A dinâmica de retomada baseia-se em certos critérios: o sensor de glicose deve estar 20 mg/dL acima do limite de baixa pré-configurado e com previsão de estar 40 mg/dL acima de 30 minutos. A infusão de insulina deve estar suspensa há, no mínimo, 30 minutos.

COMPONENTES DO SISTEMA INTEGRADO (MONITORIZAÇÃO CONTÍNUA DE GLICOSE + BOMBA DE INFUSÃO DE INSULINA)

1. Bomba de Insulina

Um pequeno dispositivo que possui:

  • Botões para programar sua insulina.
  • Tela para mostrar o que você está programando.
  • Compartimento de bateria para pilha.
  • Compartimento para o reservatório de insulina.

2. Reservatório

Cartucho de plástico que armazena a insulina e fica inserido na bomba. Ele vem com um protetor que auxilia a transferir a insulina de um frasco para dentro do reservatório. Ele pode conter até 300 unidades de insulina e deve ser trocado a cada dois ou três dias.

3. Conjunto de infusão

É um kit que faz a transferência da insulina armazenada no reservatório da bomba para seu corpo. Inclui um tubo fino que vai do reservatório até o local de infusão e a cânula que faz a infusão da insulina em seu corpo. É recomendado que seja colocada em locais semelhantes aos que você já aplica insulina (braços, abdômen, flanco, nádegas e coxas). O conjunto de infusão tem tamanho de tubo e cânulas diferente, para melhor adaptação do usuários, e também deve ser trocado a cada dois ou três dias.

4. Aplicador do conjunto de infusão

O conjunto de infusão é colocado no aplicador e, com um botão, é inserido no corpo de forma rápida, fácil e indolor.

5. Transmissor CGM

Dispositivo pequeno e leve que se encaixa ao sensor, reunindo e enviando dados para a bomba. O transmissor Medtronic é impermeável e pode ser usado durante o banho ou ao nadar.

6. Sensor

Inserido sob a pele, verifica os níveis de glicose no fluido intersticial. O sensor tem um adesivo pequeno para mantê-lo no lugar por até 6 dias, em seguida, ele deve ser substituído por um novo sensor.

7. Aplicador

O sensor de glicose é facilmente inserido sob a pele usando um dispositivo de inserção. Esse sensor é colocado no dispositivo de inserção, e com o apertar e um botão é inserido rápida e facilmente.

benefícios

O CGM gera mais segurança e controle da glicemia. Relatórios e mais clareza no comportamento do seu diabetes para você e seu médico.

O teste de ponta de dedo é uma “fotografia” do momento exato em que foi feito. Assim, o valor glicêmico é apenas um ponto no gráfico e não sabemos o que ocorreu antes e nem o que vai ocorrer em seguida. Já a monitorização contínua se assemelha a uma “filmagem”, mostrando o cenário completo. Isso é possível por conta do número de leituras feitas pelo sensor: são 288 ao dia; uma a cada cinco minutos.

  • Revela mais informações que a glicemia capilar e o teste de hemoglobina glicada
  • Ajuda a identificar e prevenir hipos e hiperglicemias
  • Ajuda na redução da hemoglobina glicada e da variabilidade glicêmica
  • Ajuda a manter o paciente dentro da meta estabelecida
  • Identifica como refeições, exercícios, medicações e outros fatores influenciam os valores de glicose.

Faça a melhor escolha

A monitorização contínua de glicose pode ser usada por pacientes com diabetes que desejam melhorar a saúde e a qualidade de vida. O CGM é especialmente benéfico para pessoas que:

  • Querem reduzir suas metas de hemoglobina glicada sem aumentar os eventos de hipoglicemia2
  • Têm hipoglicemias frequentemente ou assintomáticas2
  • Mulheres que estão grávidas ou pensando em engravidar2
  • Crianças e adolescentes fora das metas de hemoglobina glicada estabelecidas2
Referências
1 Guia do usuário MiniMed 530G, Guia do Usuário Paradigm REAL-Time Revel System.
2 Grunberger G, Bailey TS, Cohen AJ, et al; and AACE Insulin Pump Management Task Force. Statement by the American Association of Clinical Endocrinologists Consensus Panel on insulin pump management. Endocr Pract. 2010;16(4):746-762
3 Editorial Note (p.405): Centers for Disease Control (CDC). Toxic-shock syndrome in a patient using a continuous subcutaneous insulin infusion pump—Idaho. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 1983;32(31):404- 406, 412
Guilhem I, Leguerrier AM, Lecordier F, Poirier JY, Maugendre D. Technical risks with subcutaneous insulin infusion. Diabetes Metab 2006; 32: 279-284
Conwell LS, Pope E, Artiles AM, Mohanta A, Daneman A, Daneman D. Dermatological complications of continuous subcutaneous insulin infusion in children and adolecents. J. Pediatr 2008; 152: 622-628.
4 Posicionamento Oficial SBD, SBPC-ML, SBEM e FENAD 2017/2018 ATUALIZAÇÃO SOBRE HEMOGLOBINA GLICADA (A1C) PARA AVALIAÇÃO DO CONTROLE GLICÊMICO E PARA O DIAGNÓSTICO DO DIABETES: ASPECTOS CLÍNICOS E LABORATORIAIS
5 MiniMed™ 640G Guia do utilizador do Sistema